I Reis 19
 
Introdução
Era um tempo de perseguição e confronto. Muitos profetas de Deus tinham sido mortos, e muitos outros estavam escondidos. Elias orou e uma terrível seca assolou toda a nação. Elias foi caçado em toda a nação, mas o Espírito do Senhor o conduzia de uma forma sobrenatural para que ele não fosse achado pelo exército do rei. Até que chegou o momento do confronto. E Deus lhe deu uma tremenda vitória no monte Carmelo onde 400 profetas de Baal foram exterminados.
 
PRINCÍPIO: Entregar os nossos direitos e abraçar as nossas responsabilidades.
 
(I Reis 19:1-2) - E ACABE fez saber a Jezabel tudo quanto Elias havia feito, e como totalmente matara todos os profetas à espada. Então Jezabel mandou um mensageiro a Elias, a dizer-lhe: Assim me façam os deuses, e outro tanto, se de certo amanhã a estas horas não puser a tua vida como a de um deles.
 
Depois de uma grande vitória veio a retaliação. A voz do desânimo. Nem a morte dos 400 profetas de Baal intimidou Jezabel em confiar nos seus deuses. A unção demoníaca sobre ela sobrepujava a dos 400 profetas juntos.
 
(I Reis 19:3) O que vendo ele, se levantou e, para escapar com vida, se foi, e chegando a Berseba, que é de Judá, deixou ali o seu servo.
 
Na verdade ela conseguiu intimidar Elias.
DESÂNIMO = medo da cruz. Sempre existe alguns problemas que não queremos enfrentá-los. Nós fugimos para salvar a nossa própria vida, como Elias o fez.
 
Muitas vezes no próprio processo de Deus trabalhar o nosso caráter teremos que aprender a superar muitas situações onde o mais fácil é simplesmente desistir e desfalecer.
 
Sequência do desfalecimento de Elias:
1)      Abandono das responsabilidades. (Versículo 3) Deixou ali o seu moço.
Gn 21:31- Por isso se chamou aquele lugar Berseba, porquanto ambos juraram ali.
No lugar que ambos juraram, Berseba, abandonou-se o discipulado. Berseba se torna, então, num poço que não pode mais matar a nossa sede. Elias toma o caminho do deserto. Um discípulo de Jesus é medido pela sua capacidade de influenciar outros a seguirem a Cristo. Quando o sal torna-se insípido, vocês já sabem...
 
2)      Deitou e dormiu.
I Reis 19: 4-5 - Ele, porém, foi ao deserto, caminho de um dia, e foi sentar-se debaixo de um zimbro; e pediu para si a morte, e disse: Já basta, ó SENHOR; toma agora a minha vida, pois não sou melhor do que meus pais. E deitou-se, e dormiu debaixo do zimbro...
 
Simplesmente fazemos questão de esquecer das nossas responsabilidades. Jesus reprovou as virgens que dormiram e não levaram azeite consigo. Eram virgens, não adulteraram, não roubaram, não cometeram nenhum pecado aparentemente terrível. Simplesmente descansaram, se acomodaram, dormiram debaixo de um espírito que não as permitiu mais tarde reconhecer o noivo.
 
3)      Entrou numa caverna.
Uma vez vencidos pelo desânimo nos tornamos totalmente introvertidos. A nossa focalização não é mais em ministrar a Deus e as pessoas, mas em fugir salvando as nossas próprias vidas. Toda caverna representa um lugar onde não se pode ver as estrelas. Estrelas representam promessas. É um lugar onde a esperança e o futuro em Deus morrem.
 
Elias inverteu suas prioridades. Em vez de abandonar os seus direitos, ele abandonou as suas responsabilidades e o seu compromisso com a cruz.
 
Jesus também foi tentado a abandonar a responsabilidade da cruz para salvar a sua própria vida. Mas, Ele honrou o Pai e foi obediente até a morte de cruz. Este é o único tipo de morte que pode estabelecer uma vitória plena sobre principados e potestades da maldade.
 
Infelizmente o que mais se vê são pessoas que morrem não sendo obedientes até a morte de cruz, e que não causam nenhum impacto positivo na sua geração.
 
(Versículo 10) “E ele disse: Tenho sido muito zeloso pelo SENHOR Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derrubaram os teus altares, e mataram os teus profetas à espada, e só eu fiquei, e buscam a minha vida para ma tirarem.”
 
No versículo 14, ele repete a mesma coisa para Deus. Argumentos que estavam arraigados na sua alma. Deus precisa nos levar em situações difíceis assim para entendermos na prática que não somos absolutamente melhores do que ninguém. Quantos não se submetem a outros ou não investem em outros porque acham que são melhores, acham que são mais sábios, mais educados e que não cometem os mesmos erros. Cuidado!
 
I Coríntios 4:10 – “Nós somos loucos por amor de Cristo, e vós sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós ilustres, e nós vis.”
 
Elias se julgava integro e o melhor e mais fiel de todos os judeus. Mas, na verdade não queria aceitar a humilhação de estar fugindo de uma mulher. Ninguém pode te tirar do lugar de Deus, da vontade de Deus a não ser você mesmo.
 
I Reis 19:7 8 – “E o anjo do SENHOR tornou segunda vez, e o tocou, e disse: Levanta-te e come, porque te será muito longo o caminho. Levantou-se, pois, e comeu e bebeu; e com a força daquela comida caminhou quarenta dias e quarenta noites até Horebe, o monte de Deus.”
 
Um chamado de Deus para o jejum e para a oração. Não prevaleceremos sem os recursos espirituais que Deus tem para nós. Tudo que Deus tem realizado através da história tem o preço do jejum e da oração. Elias teve que voltar onde Deus tinha dado a lei para Moisés. O lugar da aliança.
 
I Reis 19:9 – “E ali entrou numa caverna e passou ali a noite; e eis que a palavra do SENHOR veio a ele, e lhe disse: Que fazes aqui Elias?”
 
Porque Deus fez esta pergunta para Elias? Ele de fato deu uma resposta muito piedosa para justificar a sua atitude. Era difícil para Elias, depois de matar 400 profetas de Baal, admitir que estava fugindo de apenas uma mulher. E também admitir que estava fazendo a mesma coisa que os outros 7.000 estavam fazendo, se escondendo.
As vezes ficamos desanimados, irritados, deprimidos porque não queremos admitir certas verdades que nos humilham. Apesar de não gostarmos de ser corrigidos e confrontados, o confronto é a semente mais poderosa para a cura e para o despertamento. Deus fez esta pergunta para Elias para que primeiramente ele caísse em si. Mas, também para que ele não perdesse tudo que Deus tinha para fazer através dele.
 
Versículos 11 e 12 – “E Deus lhe disse: Sai para fora, e põe-te neste monte perante o SENHOR. E eis que passava o SENHOR, como também um grande e forte vento que fendia os montes e quebrava as penhas diante do SENHOR; porém o SENHOR não estava no vento; e depois do vento um terremoto; também o SENHOR não estava no terremoto; E depois do terremoto um fogo; porém também o SENHOR não estava no fogo; e depois do fogo uma voz mansa e delicada.”
 
A ordem de Deus é que devemos sair da caverna onde estamos escondidos, e então vamos ter mais do que uma experiência sobrenatural, nós vamos ouvir a voz de Deus. Vamos receber a sua verdade e direção. Existem coisas sobrenaturais acontecendo a nossa volta que Deus permite, mas Ele não está envolvido nelas.
 
Coisas que abalam, que intimidam que destroem, que literalmente representam a fúria dos nossos inimigos espirituais. Mas, a voz mansa e suave do Senhor consegue ser muito mais poderosa do que tudo isso junto. Sempre que o diabo brama como um leão nos buscando devorar, tudo que ele mais quer é gerar em nós um estado de ansiedade e preocupação tal que não podemos ouvir a doce voz do nosso Deus. Uma palavra que vai matar a nossa ansiedade, vai aplacar os nossos temores, vai nos devolver a uma vida de cruz e de serviço na vontade do nosso Deus.
 
Versículo 13 – “E sucedeu que, ouvindo-a Elias, envolveu o seu rosto na sua capa, e saiu para fora, e pôs-se à entrada da caverna; e eis que veio a ele uma voz, que dizia: Que fazes aqui, Elias?”
 
Não satisfeito com a resposta, o Eterno repete a pergunta com o fim de conscientizá-lo da sua real condição.
 
Versículo 14 – “E ele disse: Eu tenho sido em extremo zeloso pelo SENHOR Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derrubaram os teus altares, e mataram os teus profetas à espada, e só eu fiquei; e buscam a minha vida para ma tirarem.”
 
Mais uma vez ele responde com auto-piedade. A raiz da auto piedade é a relutância de admitir nossas próprias limitações e fraquezas. E o pior, é que queremos responsabilizar os outros por isto!
 
Versículo 15 – “E o SENHOR lhe disse: Vai, volta pelo teu caminho para o deserto de Damasco; e, chegando lá, unge a Hazael rei sobre a Síria.”
 
Deus não vai consolar a nossa auto-piedade. Mas o que é que Ele fez? Ele usou uma outra maneira para despertar Elias. Deu-lhe responsabilidades. Deus está nos chamando a entregar os nossos direitos e voltarmos às nossas responsabilidades.
 
Volta pelo teu caminho.
 
Apóstolo Túlio de Souza Borges - Palavra ministrada em 02/03/2014