Humildade: O ponto de partida para a santidade

 

Flor

Todo homem santo é humilde, sem exceção! Quando Jesus chamou a si os seus discípulos, no seu famoso “vinde a mim” Ele enfatizou a necessidade de aprenderem o seu caráter, mansidão e humildade, e só assim encontrariam descanso para alma. Ou seja, uma alma purificada e santificada pela verdade.

 

Como relacionar santidade e humildade?

I Pedro 5:5

... e sede todos sujeitos uns aos outros, e revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.

 

Santidade é um produto da Graça de Deus, e Deus apenas concede graça para aqueles que se humilham. Tendo isto em mente é vital entender que Jesus não condena pecadores, mas condena hipócritas. O hipócrita é aquele tipo de pessoa que desculpa ou esconde o seu pecado acusando os outros. Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos que se humilham. Humildade nos conecta à graça de Deus, e apenas a graça de Deus pode produzir as verdadeiras mudanças que a nossa alma necessita.

 

Humildade é o fundamento para todas as outras virtudes. Sem humildade o progresso espiritual de qualquer um será interrompido. Na prática, poucos decidem andar humildemente em direção a santidade.

 

Vamos então para uma reflexão do texto abaixo:

João 8:1 - 11

JESUS, porém, foi para o Monte das Oliveiras. E pela manhã cedo tornou para o templo, e todo o povo vinha ter com ele, e, assentando-se, os ensinava. E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério; E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando. E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra. E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela. E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra. Quando ouviram isto, redargüidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio. E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais.

 

Era cedo em Jerusalém. Jesus estava a caminho do templo, e em seguida os ensinava. De repente uma interrupção. Escribas e fariseus trazendo uma mulher a força. Vinham chutando aquela mulher e dizendo-lhe: hoje você morre. Esta definitivamente não é uma boa maneira nem de chegar no culto, nem de trazer visitantes. Na verdade, sabemos que tudo isso era parte de uma armadilha para Jesus.

 

Quando pessoas são motivadas por malícia isso é evidência de que a graça de Deus não está mais operando nas suas vidas. Exteriormente podem até parecer moralistas, mas interiormente são vazias, incoerentes e sem qualquer consistência espiritual.

 

v.5 - E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes?

 

Então questionaram o Messias: Moisés disse na lei que ela tem que morrer. O que dizes tu?

 

Santificação não começa com regras, mas com a renúncia do orgulho. Santificação começa então com humilhação e cresce através de genuína mansidão. Porque eles queriam arrancar a opinião de Jesus? No versículo 6 está a resposta.

 

v.6 - Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar.

 

Raramente o hipócrta discerne seus próprios pecados e retém a misericódia porque julga não precisar dela. O hipócrita é altivo e arrogante, por isso é impossivel ser hipócrita e santo ao mesmo tempo. Onde tem hipocrisia sempre terá malícia e maldade. A palavra hipócrita vem da palavra “ator”. É quando representamos ser algo ou alguém que não somos. É o pecado mais comumente praticado na Igreja.

 

O primeiro passo em direção à santificação seria então parar de impressionar os outros com uma espiritualidade ou força moral que nós na verdade não temos. O primeiro passo para agradar a Deus é a humildade. E era exatamente o que aquela congregação não tinha.

 

v.7 -  E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.

 

Então Jesus começou a pregar apesar de não gostar de fazê-lo para religiosos. É impressionante o poder de uma pregação ungida. Todos aqueles homens tiveram uma visão clara das tábuas da lei e todos ouviram uma voz dizendo: CULPADO. O fato de Deus ser misericordioso jamais vai interferir no fato de que Ele nunca tem o culpado por inocente e jamais o inocente por culpado. Ele é justo.

 

Aqui a pergunta era “quem não tem o mesmo pecado desta mulher...”

 

Em algum momento da vida cristã todos teremos que lidar com as impurezas do próprio coração.  Creio que o Espírito Santo leva todos os homens a esse sensível lugar de convicção de pecados. O Espírito Santo nos convence, não para nos condenar, mas para nos mostrar a necessidade que todos temos da graça de Deus. A convicção do Espírito Santo é bem diferente da condenação. O Espírito Santo nunca nos condena, Ele nos convence. A sua convicção é sempre especifica e sempre nos mostra o seu perdão e o seu escape. Ele aponta o nosso pecado, mas aponta também o nosso Salvador e libertador: Jesus de Nazaré.

 

É a partir deste momento, quando ouvimos o Espírito Santo, que os homens tomam rumos diferentes. O que vai se tornar santo vê a sua necessidade e cai prostrado diante de Deus. O que vai continuar religioso e hipócrita vê o seu pecado e o justifica. Um desfruta de mudança o outro não. Um se torna santo o outro permanece religioso, e o mais sério de tudo: ambos foram evangelizados e são indesculpáveis.

 

v.9 - Quando ouviram isto, redargüidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio.

 

Quando os fariseus foram convencidos pelo Espírito Santo eles cometeram um erro ainda pior. SE RETIRARAM DALI. Ser convencido pelo Espírito Santo não é tudo, como já tentamos mostrar. O fato é que todos daremos algum tipo de resposta que vai nos aproximar ou nos afastar de Jesus. Na lógica da humildade os fariseus deveriam se ajoelhar ao lado daquela mulher, se identificar com ela e chorar os mesmos pecados.

 

Porque não fizeram? Por causa da lógica do orgulho. Sendo assim, não se aproximaram, se retiraram! Perderam o momento que Jesus lhes ofereceu para a maior mudança da vida deles.

 

v.10 - E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? Só havia uma pessoa ali sem pecado, JESUS. Ele podia atirar a primeira pedra para cumprir a lei de Moisés. Mas Ele não veio para condenar, mas para salvar.

 

Com certeza aquela mulher queria se defender, ela sabia que muitos que estavam ali eram mais perversos que ela. Provavelmente até mesmo adulteraram com ela. Se pegaram esta mulher no ato de adultério, onde estava o homem? Certamente foi alguém do meio e que fazia parte daquele complô. Nunca confie num hipócrita!

 

v.11 - E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno...

 

Pela primeira vez na sua vida ela estava experimentando o verdadeiro Amor. Ela tomou um choque quando olhou nos olhos de Jesus. Pela primeira vez em toda a sua história de vida ela olhou nos olhos de alguém que nunca cometeu pecado. Nada gera mais impacto do que pureza e santidade.

 

Ela então reconheceu o seu pecado e a sua necessidade de ser julgada. Mas as pedras não vieram, ela ficou sozinha com Jesus. Nem eu também te condeno...

 

Por que Jesus não atirou a primeira pedra? Porque naquele instante Ele já estava a caminho da cruz para pagar a sua dívida. Aquela mulher só podia ser poupada porque Jesus morreu por ela.

 

Como sabemos que funcionamos no Amor de Deus? Quando nos comprometemos e não nos afastamos.

 

Hebreus 13:5

 ... porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.

 

Aqui o nosso discernimento será perfeito, porque os nossos motivos são puros para julgar.

 

I João 4:16 – 17

E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. Nisto é perfeito o amor para conosco, para que no dia do juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos nós também neste mundo.

 

E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais.

Alguém pode dizer, “Jesus sempre condenou o pecado”. Pura verdade. A palavra de Deus declara que o salário do pecado é a morte. Podemos e devemos falar contra o pecado, mas precisamos ser motivados pelo amor de Jesus.

 

Romanos 5:8

Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.

 

Quando é que você vive este princípio? Quando você está comprometido a entregar a sua vida por alguém então você está autorizado a julgá-lo. Mas lembre-se, o pecado que devemos condenar primeiro é o pecado de julgar outros. Por quê? Porque isto apaga a luz do discernimento e não nos permite enxergar os nossos próprios pecados.

 

Mateus 7:5

Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.

 

Entenda isto: Nunca nos tornaremos santos criticando ou condenando outros. Pelo contrário, pelo fato de desesperadamente necessitar da misericórdia de Deus, devemos ansiar por oportunidades de estendê-la a outros.

 

Mesmo em momentos de plenitude espiritual, precisamos encarar as nossas fraquezas com certa satisfação, porque a nossa força é e sempre será produto da graça de Deus.

 

Precisamos viver a humildade como uma escolha. Qualquer um pode julgar e criticar, mas quem são aqueles que estão comprometidos para alcançar e salvar? Estes são aqueles que enxergaram os seus próprios pecados e se comprometeram com a santidade de Deus.

 

Jesus não veio para julgar o mundo, mas para salvar. Ele derramou o seu coração em amor, intercessão e fé por aqueles que já estavam condenados incluindo eu e você. Este é o modelo que precisamos seguir.

 

Quando Jesus julgou o homem em dadas situações, a sua motivação era salvar. O seu amor sempre está comprometido com um tipo de disciplina que busca redimir. Lembre-se, Jesus não condena pecadores, mas condenou os hipócritas. Ele mesmo se identificou com os pecadores, levando sobre si mesmo os nossos pecados e dores.

 

Ele nos desafia a vestir o seu manto de humildade para que a luz da sua santidade brilhe em cada um de nós.

 

Se neste tempo você se encontra como vítima de algum tipo de tribunal ou acusação, saiba o único que pode te tirar de lá é Jesus. E a única atitude que pode te tirar de lá é se você decidir pela humildade. Provavelmente aquela mulher, ou até mesmo eu ou você nunca fossemos a Jesus. Naquele dia homens a chutaram até ao único que poderia salvá-la! E sei que Ele pode fazer o mesmo por mim e por você!

 

Lamentações 3:39

De que se queixa, pois, o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus próprios pecados.

 

Apóstolo Túlio de Souza Borges

Pastor Presidente – Ministério Internacional Ágape

 

Palavra ministrada em 07/11/2010