Você está sendo convocado para uma proposta do Céupao

 

Mateus 14:13 - 21

Jesus, ouvindo isto, retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, à parte; sabendo-o as multidões, vieram das cidades seguindo-o por terra. Desembarcando, viu Jesus uma grande multidão, compadeceu-se dela e curou os seus enfermos. Ao cair da tarde, vieram os discípulos a Jesus e lhe disseram: O lugar é deserto, e vai adiantada a hora; despede, pois, as multidões para que, indos pelas aldeias, comprem para si o que comer. Jesus, porém, lhes disse: Não precisam retirar-se; dai-lhes, vós mesmos, de comer. Mas eles responderam: Não temos aqui se não cinco pães e dois peixes. Então, ele disse: Trazei-mos. E, tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a relva, tomando os cinco pães e os dois peixes, erguendo os olhos ao céu, os abençoou Depois, tendo partido os pães, deu-os aos discípulos, e estes, às multidões. Todos comeram e se fartaram; e dos pedaços que sobejaram recolheram ainda doze cestos cheios. E os que comeram foram cerca de cinco mil homens, além de mulheres e crianças.”

 

Estamos num tempo de definições. Ou vamos nos envolver de fato com a proposta de Deus, ou seremos fatalmente submetidos às propostas de satanás. Lembre-se: não existe imparcialidade nas coisas espirituais.

 

Existe um clamor da parte de Deus por ajudadores para a colheita desta geração aflita e exausta, mas poucos são os que dão ouvidos a este clamor. Por isso, é preciso orar para que o diabo solte os corações (Mateus 9:36 – 38).

 

Da multidão de seguidores, Jesus convoca 12 voluntários, para comer pão e aprender a dar pão para a multidão (Mateus 14:19 – 20).

 

Pão e peixe são alimentos básicos para todas as culturas da terra.  Mas de que pães ele está falando? Porque sobraram 12 cestos cheios de pães? Por que foram os 12 discípulos que distribuíram os pães? Essas são perguntas que fazemos e que nos inspiram a pensar que Deus, há muito tempo, vem tentando nos falar que Ele tem uma proposta, e está querendo nos inserir dentro dela.  Hoje vamos entender a proposta, e para tal entendimento, precisamos voltar no tempo e entrar na Tenda do Testemunho no deserto

 

O tabernáculo do deserto era dividido em três pátios ou compartimentos. No primeiro pátio ou ambiente, chamado Átrio, havia uma bacia de lavar e um altar de sacrifícios. No segundo pátio ou ambiente, chamado Santo Lugar, à esquerda havia um candelabro, no centro um altar de incenso, e à direita, do lado norte do tabernáculo, tinha uma mesa com utensílios santos, era a mesa da Proposição ou mesa da Proposta contendo 12 pães, taças para se oferecer libações, pratos, colheres e tigelas, todos em ouro.

 

A mesa era de ouro puro e rodeada por uma coroa de ouro. Os pães eram alimento dos sacerdotes. Isto tipificava uma proposta de origem divina e sustentava o ministério representativo sacerdotal. Comer pão com alguém significa tomar com ele uma refeição ou até um banquete, principalmente depois de uma aliança. Repartir o pão com o peregrino era o modo mais direto de cumprir todos os deveres sagrados de hospitalidade. Comer o pão com alguém é estabelecer as bases da amizade. Dar pão aos pobres é obrigação religiosa.

 

A proposta da mesa era que estar no santo lugar representaria algo sagrado. Só os sacerdotes tinham acesso à mesa, era lugar de alimento de sacerdotes. Os pães eram renovados todos os dias de sábado tipificando que os sacerdotes deveriam comer do pão da presença no sábado no lugar santo, e Jesus fez menção do mesmo pão na ceia agora para doze apóstolos. Lembrando do maná que era o pão do céu ele se auto-proclamou “eu sou o pão da vida”. A proposta fala que o modelo é para sacerdotes, e como sacerdotes somos chamados para se alimentar do Pão da Vida que se renova todos os dias e oferecer o Pão da Vida a quem tiver fome. Jesus é este pão, o pão da amizade, da aliança, o pão que fortalece os relacionamentos.

 

Jesus tipificava a mesma proposta. Uma proposta sagrada porque veio da boca de Jesus, de origem divina porque veio de Deus, de sustentar e representar um sacerdócio na terra entre uma geração aflita e exausta, faminta por pão. Na mesa tinha o cálice, que mais tarde, na mesa da ceia, Jesus disse este é o cálice da nova aliança no meu sangue.

 

Somos sacerdotes da nova aliança em Cristo pelo sangue, uma chamado para viver e oferecer o Pão da Vida, através dos relacionamentos. Eu e você somos a nação que Deus elegeu, os apóstolos da nova proposta.

Jesus não disse que a proposta seria fácil.

 

Nesta comissão não estaremos sozinhos (Mateus 28:18-20 e Mateus 16:19-20).

Jesus apresentou a sua proposta, mas a decisão é nossa. Não podemos dizer que seguimos a  Jesus e não considerarmos a proposta dEle (João 6:60- 68)

 

Geração apostólica é um chamado para compartilhar do pão vivo e andar em aliança, é disso que falava a mesa da proposição, a mesa da ceia do Senhor e será assim na mesa que está sendo estabelecida agora no seu coração.

 

Pastor Daniel Santos Roberto

Pastor Auxiliar do Ministério Internacional Ágape

Palavra ministrada em 09/04/2010 - Evento Mover Gerações Ágape