SHAVUOT –  FESTA DAS SEMANAS
Levítico 23
 
Existem três festas bíblicas que são consideradas festas de peregrinação. PESSACH (Páscoa) – SHAVUOT (Semanas ou colheita) – SUCOT (Tabernáculos). Não podemos compreender nem celebrar a festa da colheita se não passarmos pela Páscoa. A festa da Colheita acontece exatamente 50 dias (ou sete semanas contando do segundo dia da Páscoa) depois da páscoa. Este é o lugar e o tempo onde os sonhos se materializam, as promessas se concretizam.
 
Páscoa é a compreensão que um Cordeiro sem mancha foi imolado por nós e precisamos aplicar o seu sangue e comermos a sua carne. Precisamos assimilar interiormente o sacrifício de Jesus.
 
(João 6:53, 54) -  Jesus, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.
 
O que é celebrado em SHAVUOT (Pentecostes)?
 
1 – Comemora-se o recebimento da Torá. Exôdo 24
Os Judeus comemoram o aniversário da Tora ( Lei ). Foi exatamente nestes dias a Lei foi entregue a Moisés no Monte Sinai.
 
A lei era a semente para conquistar a terra prometida ou a terra das promessas. Todas as conquistas estão nas promessas de Deus que tem a obediência da lei como requisito.
A palavra “SHAVUOT”, significa SEMANAS. São sete semanas entre a Páscoa (Pêssach) e Shavuot. Este intervalo é chamado o período do Omer. O início da contagem chamava-se “PRIMÍCIAS”, e trazia-se uma oferta que era movida pelo sacerdote e no final das 7 semanas era o Pentecoste.
 
(Levítico 23:5) -  No mês primeiro, aos catorze do mês, pela tarde, é a páscoa do SENHOR... (Levítico 23:10-16) Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando houverdes entrado na terra, que vos hei de dar, e fizerdes a sua colheita, então trareis um molho das primícias da vossa sega ao sacerdote; E ele moverá o molho perante o SENHOR, para que sejais aceitos; no dia seguinte ao sábado o sacerdote o moverá. E no dia em que moverdes o molho, preparareis um cordeiro sem defeito, de um ano, em holocausto ao SENHOR, E a sua oferta de alimentos, será de duas dízimas de flor de farinha, amassada com azeite, para oferta queimada em cheiro suave ao SENHOR, e a sua libação será de vinho, um quarto de him. E não comereis pão, nem trigo tostado, nem espigas verdes, até aquele mesmo dia em que trouxerdes a oferta do vosso Deus; estatuto perpétuo é por vossas gerações, em todas as vossas habitações. Depois para vós contareis desde o dia seguinte ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida; sete semanas inteiras serão. 16Até ao dia seguinte ao sétimo sábado, contareis cinqüenta dias; então oferecereis nova oferta de alimentos ao SENHOR.
 
Durante este tempo Israel purificou-se das cicatrizes da escravidão e tornou-se uma nação santa, um povo separado. Estava pronto para entrar numa aliança eterna com Deus.
 
(1Pedro 2:9, 10) -  Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;  Vós, que em outro tempo não éreis povo, mas agora sois povo de Deus; que não tínheis alcançado misericórdia, mas agora alcançastes misericórdia.
 
SHAVUOT também significa “Juramentos”.  Quando os Hebreus receberam a Lei, o povo e Deus trocaram Juramentos. Entraram em aliança. Formando um pacto duradouro de fidelidade e Lealdade.  A bíblia retrata desde êxodo 19 até 23 a proposta de Deus, os seus mandamentos e os seus estatutos. E em Êxodo 24 temos a resposta do povo:
 
(Êxodo 24:4) -  Moisés escreveu todas as palavras do SENHOR, e levantou-se pela manhã de madrugada, e edificou um altar ao pé do monte, e doze monumentos, segundo as doze tribos de Israel
 
O Livro de Rute descreve a beleza da época da Colheita que é Shavuot, e descreve a sua conversão e aliança com o Deus de Israel.
 
(Rute 1:16, 17) -  Disse, porém, Rute: Não me instes para que te abandone, e deixe de seguir-te; porque aonde quer que tu fores irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus; Onde quer que morreres morrerei eu, e ali serei sepultada. Faça-me assim o SENHOR, e outro tanto, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti.
 
Por esta aliança, Rute alcançou graça para colher no campo de Boaz, que se tornou resgatador de tudo que Noemi tinha perdido. Daí veio Davi, filho de Jessé, filho de Obede, filho de Boás.
 
(Rute 2:10 - 12) Então ela caiu sobre o seu rosto, e se inclinou à terra; e disse-lhe: Por que achei graça em teus olhos, para que faças caso de mim, sendo eu uma estrangeira? E respondeu Boaz, e disse-lhe: Bem se me contou quanto fizeste à tua sogra, depois da morte de teu marido; e deixaste a teu pai e a tua mãe, e a terra onde nasceste, e vieste para um povo que antes não conheceste. O SENHOR retribua o teu feito; e te seja concedido pleno galardão da parte do SENHOR Deus de Israel, sob cujas asas te vieste abrigar.
 
Por isso o livro de Rute é sempre lido pelos Judeus em Shavuot no decorrer dos séculos. É uma aliança consciente de obediência aos princípios morais e eternos de Deus.
 
2 - Shavuot também significa a festa da colheita ou dos primeiros frutos.
 
Acontecia no início da colheita dos cereais e no tempo do amadurecimento dos primeiros frutos. Destes frutos, há sete espécies mencionadas pela bíblia: trigo, cevada, uva, romã, azeitona e tâmara. Ninguém poderia aparecer de mãos vazias. Ninguém pode colher se não semear primeiro.
 
(Levítico 23:14) -  E não comereis pão, nem trigo tostado, nem espigas verdes, até aquele mesmo dia em que trouxerdes a oferta do vosso Deus; estatuto perpétuo é por vossas gerações, em todas as vossas habitações.
 
(Deuteronômio 16:16) -  Três vezes no ano todo o homem entre ti aparecerá perante o SENHOR teu Deus, no lugar que escolher, na festa dos pães ázimos, e na festa das semanas, e na festa dos tabernáculos; porém não aparecerá vazio perante o SENHOR;
 
3 - Shavuot também significa Pentecostes
Pentecoste é o cumprimento da promessa do Pai
 
(Atos 1:4, 5) -  E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.
 
É a ratificação, a confirmação de uma Nova Aliança
 
(Hebreus 8:8-11) -  Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, Em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei uma nova aliança, Não segundo a aliança que fiz com seus pais No dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; Como não permaneceram naquela minha aliança, Eu para eles não atentei, diz o Senhor. Porque esta é a aliança que depois daqueles dias Farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo; E não ensinará cada um a seu próximo, Nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece o Senhor; Porque todos me conhecerão, Desde o menor deles até ao maior.
 
Da mesma forma que não poderiam receber a lei no Sinai sem a Páscoa no Egito, também não existe pentecoste sem o calvário. Na mesma profundidade que passarmos pela cruz vamos experimentar o poder do Espírito Santo escrevendo nas tábuas de carne do nosso coração os santos mandamentos de Deus.Isto significará uma poderosa frutificação.
 
Quando o Espírito Santo caiu sobre aqueles 120 discípulos, passaram a entender tudo que Jesus lhes havia ensinado baseado em Moisés. Isto desatou uma unção para frutificar (caráter) e multiplicar (vidas). Os discípulos passaram a ter uma linguagem apenas, a linguagem das promessas, a linguagem do Espírito Santo. Um corpo só pode ter uma linguagem. Aqui foi o resgate de Babel. Isso pertence a Igreja. Isso fez a pregação deles ungida e trouxe uma enxurrada de frutos, marcando a primeira colheita da história da Igreja.
 
Aqueles 120 discípulos tinham os requisitos do Pentecoste:
·         Compromisso com a lei. Os ensinamentos de Jesus não vieram para contradizer Moisés, muito pelo contrário.
(Mateus 5:17) -  Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir.
·         Compreenção de aliança. Jesus representou uma Nova Aliança feita no seu próprio sangue. Compreendiam que não podiam aparecer de mãos vazias diante do Senhor.
(João 15:7, 8, 15) -  Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda.
 
 
O QUE ACONTECEU EM PENTECOSTE
 
João Batista introduziu Jesus como aquele que batiza com o Espírito Santo. O Espírito Santo foi a única fonte de poder de todo ministério de Jesus. Jesus prometeu aos seus discípulos que quando Ele fosse assunto aos céus, Ele enviaria o Espírito Santo na qualidade de ajudador, conselheiro e consolador.
 
Vamos considerar o cumprimento desta promessa que Jesus fez. O cumprimento desta promessa se deu num processo. A primeira fase aconteceu no que chamamos “domingo de páscoa”.
 
 João 20:19-22. Chegada, pois, a tarde, naquele dia, o primeiro da semana, e estando os discípulos reunidos com as portas cerradas por medo dos judeus, chegou Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco.  Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Alegraram-se, pois, os discípulos ao verem o Senhor.  Disse-lhes, então, Jesus segunda vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. E havendo dito isso, assoprou sobre eles, e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.
 
Este assopro representou um momento extremamente importante dentro do propósito redentivo de Deus. O que aconteceu aqui? Primeiro, os discípulos entraram no que chamamos de “padrão de salvação do Novo Testamento”.
 
Romanos 10:9 Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo;  pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.
 
Em João 20:19, 20, foi o primeiro momento onde de fato os discípulos creram que Jesus ressuscitou dos mortos.  Antes disto, não poderiam ter acesso a salvação apresentada no NT. Neste momento, quando eles confessaram a Jesus como Senhor e creram que Ele foi ressurreto dos mortos, eles foram salvos com os requisitos da salvação do NT.
 
A segunda coisa que aconteceu é que os discípulos foram totalmente regenerados, literalmente nasceram de novo. Se tornaram uma nova criação através do sopro de Deus. Entendemos isto observando a criação original:
 
Gênesis 2:7 - E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente.
 
O sopro do Espírito transformou aquela figura de barro em uma alma vivente.
 
2 Coríntios 5:17 - Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.
 
Existe um paralelo direto entre a primeira criação e a nova criação. Na nova criação, Jesus é o Senhor ressurreto que venceu o pecado, a morte, o inferno e o próprio satanás. Feito isto, apareceu aos seus discípulos e soprou dentro deles a vida da ressurreição.  Através desta experiência passaram do VT para uma salvação anunciada no NT, sendo uma nova criação em Cristo, através do sopro de ressurreição que receberam de Cristo.
 
Mas a experiência do domingo de páscoa não foi tudo. Depois da ressurreição Jesus disse aos discípulos:
 
Lucas 24:49 - E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai porém, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder.
 
Mais claramente, um pouco antes da sua ascensão aos céus, Jesus disse para eles:
 
Atos 1:5 Porque, na verdade, João batizou em água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo, dentro de poucos dias.
 
Entendemos que o domingo de ressurreição não foi o cumprimento total da promessa. Mas achamos este cumprimento em Atos 2:
Atos 2:1 – 4 -  Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar.  De repente veio do céu um ruído, como que de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. E lhes apareceram umas línguas como que de fogo, que se distribuíam, e sobre cada um deles pousou uma. E todos ficaram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem.
 
Aqui o Espírito Santo desceu dos céus em pessoa, na forma de um vento poderoso, enchendo cada um deles individualmente, dando a cada um deles uma nova e sobrenatural linguagem que nunca aprenderam antes. Pedro nos dá uma explicação teológica do que aconteceu:
 
Atos 2:32 - Ora, a este Jesus, Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas.
De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis.
 
Achamos a trindade manifesta nestes versos. Jesus o filho recebeu o Espírito Santo do Pai e derramou o Espírito Santo sobre os discípulos que esperavam por Ele naquele cenáculo. A partir deste momento, Jesus não estava apenas ressurreto, mas também exaltado e glorificado.
 
João 7:39 Ora, isto ele disse a respeito do Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito ainda não fora dado, porque Jesus ainda não tinha sido glorificado.
 
Somos confrontados com dois domingos maravilhosos. No domingo de páscoa temos o Cristo ressurreto e o sopro interior do Espírito. O segundo, é o domingo de pentecoste, onde temos o Cristo glorificado e o Espírito derramado. Estas duas experiências estão à disposição para todos os que crêem. Vivenciar esta experiência nos conduz a colheita.
 
Onde que o Espírito Santo vive hoje? Existem duas respostas.
Primeiro, Ele vive na Igreja, o corpo corporativo de Cristo.
1 Coríntios 3:16 - Não sabeis vós que sois santuário de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?
 
Paulo esta falando no plural sobre o templo corporativo do Espírito Santo. Segundo, Paulo revela o propósito de Deus em o Espírito Santo habitar no corpo de cada crente.
 
1 Coríntios 6:19 - Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?
 
Apóstolo Túlio de Souza Borges